Informação sustentável para uma vida mais consciente

Informação sustentável para uma vida mais consciente

Penso, logo sou sustentável

A opinião de quem sabe
B Corp

Luis Amado

Diretor Executivo B Lab

O que entendemos por comprar bem?

Pagar pouco, será comprar bem?

Se pensarmos um pouco no que compramos, percebemos que não. Umas vezes porque pagamos pouco e… sentimos na pele a veracidade do velho ditado “barato sai caro”. Outras vezes porque escolhemos alternativas que, numa primeira aproximação, nos parecem mais caras, mas que passado algum tempo valorizamos, pensando: afinal isto até foi barato pelo tempo que está a durar ou pela qualidade com que nos está a satisfazer a necessidade, para a qual fizemos a compra.

Já pensaram que ao fazermos uma compra o que estamos a fazer é satisfazer uma necessidade?

Nem que seja a da nossa vontade de comprar qualquer coisinha, que às vezes nos empurra a compras que depois percebemos como pouco felizes.

Se tivermos esta consciência podemos mais facilmente comprar bem, ou seja, comprar para satisfazer as nossas necessidades da melhor maneira.

Nesta óptica, podemos ser mais ou menos egoístas, mais ou menos focados no nosso impulso, mais ou menos racionais na forma como satisfazemos as nossas necessidades.

Se tivermos a noção que ao comprar estamos a satisfazer uma necessidade, estaremos a comprar bem quando satisfizermos bem a necessidade pretendida, logo não estaremos a comprar bem apenas por comprar barato, a não ser que a necessidade que queiramos satisfazer seja que saia menos dinheiro da nossa carteira ou conta.

Reparem que não escrevi poupar. Isso já implica uma análise mais abrangente e de mais longo prazo, que inclui a avaliação de outros parâmetros para alem do preço, como por exemplo a durabilidade e a eficiência.

Se tivermos em conta os vários tipos de necessidade, muitas vezes associados e ilustrados na pirâmide de Maslow, percebemos, facilmente, que as necessidades associadas ao processo de compra podem ser várias e não se esgotam no interveniente da compra e no alvo da compra, tendo repercussões significativas na sociedade como um todo.

Não serão alheias a esta percepção do processo de compra o aparecimento de várias certificações e projectos como o Fair Bazaar que procuram demonstrar que os produtos e serviços, que compramos, têm um impacte social positivo que pode ir bem para além da satisfação da necessidade mais imediata, que por vezes, por miopia de raciocínio, usamos como principal critério para a maioria das nossas compras.

Mas está na hora de mudarmos e de querermos mudar o mundo, e não só a nossa disposição, como às vezes acontece, com as nossas compras.

As possibilidades estão aí, é só uma questão de as querermos usar.

O mês de Março é o mês das B Corp pelo que, este mês, fará sentido focarmo-nos neste movimento que disponibiliza ferramentas para que as empresas possam ter um impacto positivo para a sociedade em que estão inseridas.

Como?

Permitindo medir e fazer benchmarking da sua actuação em áreas como a governance, os colaboradores, o ambiente, a comunidade e os clientes. Assim ao comprar produtos ou serviços de empresas certificadas como B Corp poderá ter a certeza de que as mesmas foram escrutinadas ao nível das melhores práticas nestas várias áreas e que por isso terão um impacto positivo para a sociedade. Assim, ao comprar B (produtos certificados B) estará a satisfazer vários dos tipos de necessidades e a subir bem mais alto na pirâmide de Maslow, contribuindo para uma sociedade melhor e mais sustentável.

Será que podemos dizer que isto (comprar B) é comprar bem?

Cada um tem os seus critérios, e sempre existirão vários e muito diferentes.

Eu gosto dos que têm os critérios que os fazem dizer:

“Agora já tenho mais argumentos para comprar vinho com mais frequência e sinto-me muito bem quando olho para o B no rótulo e penso no impacto positivo da minha compra.”

É verdade que seria bom que tudo o que compramos nos permitisse ter esta sensação de contributo positivo para a sociedade no seu todo mas, enquanto isso não acontece, porque não vamos aproveitando as ferramentas B que temos à disposição para comprar bem?

A Fair Bazaar é um dos sítios em que podemos fazer isso.