Informação sustentável para uma vida mais consciente

Informação sustentável para uma vida mais consciente

HISTÓRIAS QUE NOS INSPIRAM

Marcas, pessoas, projetos e objetos
Ruben Branches / Fair Bazaar

Filipa Veiga

Editora e Professora de Yoga

No rescaldo das semanas da moda, compilámos alguns dos melhores artigos que já saíram na Fair News sobre moda sustentável. Uma perspetiva que deve ser relembrada como alternativa à grande indústria da moda, uma das mais poluentes do mundo.

 

Quando Mahatma Gandhi disse “sê a mudança que queres ver no mundo”, pensou em pessoas como Joana Silva. A criadora da marca de biquinis Conscious Swimwear vive em pleno uma vida consciente

Joana Silva não fica a sonhar nem a especular sobre “o dia perfeito”, ela faz com que esse dia aconteça, constói-o e vive-o. Dá passos em frente e esse é o seu poder. Há dois anos, quando estava numa aula de costura, começou a criar biquinis. Ficaram perfeitos. “Partilhei as minhas peças no Instagram e o feedback foi incrível. De repente, tinha pessoas a encorajar-me a fazer modelos para vender e fiquei entusiasmada com a ideia. Adoro biquinis e pensei que podia criar alguma coisa diferente e simples para o mercado português”. Assim fez e nasceu a Conscious Swimwear.

Não é apenas mais uma marca de biquinis que produz peças cool. Estamos a falar de uma marca que tem uma missão: acordar consciências. “O que me motiva mais é a oportunidade de fazer despertar para um consumo consciente. Usar esta marca como uma plataforma para fazer a diferença no mundo, para educar e informar as pessoas”, explica Joana Silva. Quem veste um dos biquinis da Conscious Swimwear está a usar um produto com uma história para contar, uma palavra a dizer, uma consciência.

Feitas a partir de Lisboa, com Econyl, as peças são enviadas para todo o mundo. “A nossa marca quer ser uma opção sustentável no universo dos fatos de banho. O nosso tecido é reciclado e feito de plásticos recolhidos no oceano, sobretudo de redes de pesca abandonadas. Cada peça é feita à mão e fair trade e temos muito orgulho nisso”, sublinha Joana. Além disso, acrescenta, tudo foi pensado ao detalhe, de forma simples: “Os nossos padrões são desenhos exclusivos e produzidos localmente. Temos um design básico e fácil de misturar e de vestir”.

O trabalho artesanal é o mais dispendioso, mas vale a aposta. “Estamos a fazer biquinis com costureiras experientes em Lisboa, que garantem que cada peça fica perfeita antes de a entregarem. É muito importante para nós que as pessoas que trabalham com a marca recebam um salário justo pelo seu trabalho.” Mais uma vez, uma opção que beneficia o planeta e quem nele vive. Cada passo de produção destas peças é estritamente focado em fazer o melhor para ser tão sustentável como uma marca pode ser.

Uma missão para a vida
Joana Silva é uma ativista. Acredita na diferença que cada pessoa pode fazer no mundo. Basta descobrirmos a nossa missão, plantarmos o nosso jardim e trabalharmos para um lugar melhor para nós e para as nossas crianças. “O mundo está a mudar rapidamente. Temos de erguer as nossas vozes e tornarmo-nos a diferença que queremos ver no mundo”, afirma, decidida. Com os pés na terra, percebe o que ainda está por fazer. “Neste momento, vejo um movimento crescente dos temas da sustentabilidade, mas não chega. A maioria das pessoas precisa de regras e leis para fazer mudanças nas suas vidas, no que toca o consumo”, defende.

Sem precisar que lhe imponham regras e fazendo as suas escolhas cuidadosas e pensadas, Joana é uma mulher que inspira muitas outras – só no Instagram tem quase 29 mil seguidores. Antes de comprar o que quer que seja, pensa sempre “mil vezes”, conta. O resultado é simples: “A minha casa está menos cheia, tenho menos roupa, menos sapatos, menos malas, menos coisas no geral.” Quando precisa de algo, tem uma solução simples: “Pergunto sempre aos amigos se me podem emprestar quando sei que vou usar apenas uma vez ou por um período curto de tempo.” Parece uma grande ideia para guardar e pôr em prática.

Uma rapariga empoderada
“Tenho orgulho no crescimento do empoderamento feminino. Penso mesmo que somos ninjas a lutar, do trabalho à vida social, a lidar com a maternidade e muito mais coisas, tudo de uma vez.” Foi essa, aliás, uma das razões que a levou a criar estes biquinis: “Com a Conscious Swimwear quero transmitir essa sensação do ‘wow, isto serve-me na perfeição’ a todas as mulheres.”

Outra das suas preocupações são os oceanos e também aí a sua marca faz a diferença. “No final de cada ano fiscal, 1% de todas as vendas da Conscious Swimwear são diretamente doadas a causas locais que queremos apoiar.” A proteção dos oceanos é uma delas e não faltam ideias a Joana Silva, sempre entusiasta. “Gostava de escrever mais sobre isto. Talvez num blogue dentro do nosso site…”. A vida é simples se tivermos descoberto o nosso propósito, acredita. Tornarmo-nos um consumidor consciente é o legado que nos deixa.

www.consciousthelabel.com